sábado, 29 de maio de 2010

Análise do livro "Solução Primária"

Solução Primária é o primeiro livro de Hélder Medeiros, um comediante açoriano que ganhou fama através dos seus vídeos no youtube onde se destaca a série "E se... tivesse sido feito nos Açores?". 

O livro conta a historia de David, um ex-operacional da G.O.E (Grupo de Operações Especiais) da PSP, que é contactado por um familiar duma vítima de uma missão fracassada de salvamento numa embaixada tomada por supostos terroristas.
Aí é lhe revelado revelações surpreendentes sobre o ataque à anos atrás, indo numa busca à verdade.





O livro é contado na terceira pessoa, contando a vida de David deste a sua primeira e fracassada missão como operacional da G.O.E. na embaixada no Porto, até a contacto do familiar de uma das vitimas do ataque para a sua suposta resolução do caso.
O livro que no início parece um policial (pelo menos para mim) começa a evoluir para uma aventura  com mistura de James Bond com Robert Langdon. A acção nunca pára e a história é muito entusiasmante. O método do autor para fazer o leitor agarrado ao livro é verdadeiramente muito eficaz, porque o livro tem muitos capítulos (39 para ser exacto) e no final de cada capitulo existe uma reviravolta. Mas não é de todo positivo pois alguns capítulos só tem apenas 2 ou 3 páginas o que faz com que seja uma leitura muito pausada. 
As relações entre personagens são muito boas, incluindo as personagens em si, mas a sua descrição é nula. Num livro com um bom e credível enredo, não existem quaisquer descrições das personagens e locais e quando o existem são muito vagas. O que é um pouco grave! Pois se não tivesse essa falha teria um 10!
 
Em soma, é um livro bom e com muito potencial apesar da sua falha. Não hesito em recomendar devido a qualidade de escrita e do seu enredo.
Para quem gosta de James Bond, dos livros de Dan Brown ou de simplesmente uma aventura vale a pena lerem este livro.

Nota: 7.5/10

O que é agradável: O enredo entusiasmante e as suas personagens. O mecanismo que o autor fez para manter o leitor agarrado ao livro. As várias reviravoltas. A força antagonista do enredo.

O que é desagradável: Por vezes sentimos que existem demasiados capítulos, porque faz com que seja uma leitura pausada. Não existe praticamente descrições físicas das personagens ou dos locais.

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=6DULgMXnGqw

domingo, 23 de maio de 2010

Análise do livro "O sorriso das estrelas"

O Sorriso das estrelas é um popular livro que está na 26º edição do aclamado Nicholas Sparks que já escreveu vários bestsellers. A popularidade e qualidade é imensa que em 2008 teve a sua adaptação cinematográfica. O filme apesar de não ter sido muito aceite pelos críticos, teve um enorme sucesso na bilheteira.

O livro trata-se de Adrienne Willis e de Paul Flanner, dois desconhecidos em que cada um têm os seus problemas pessoais típicos de pessoas de meia-idade. 
Um dia, Adrienne faz o favor à amiga para cuidar da sua estalagem em Rodanthe e assim o faz. Nessa mesma noite o seu unico cliente é Paul. No fim-de-semana em que ambos estão sós, cresce um amor que irá para sempre mudar as suas vidas.


O livro é contado na perspectiva de terceira pessoa, descrevendo as vidas dos protagonistas, desde os tempos de criança até ao momento em que os dois se reúnem na estalagem. Este método é no mínimo, muito gratificante pois assim sentimos mais empatia pelas personagens e as conhece-mos melhor. 
Nicholas Sparks têm um estilo de escrita muito próprio. Faz o seu trabalho de casa, fabricando as personagens tendo no final, umas personagens fantásticas no papel.  
A nível de descrições é certamente um dos melhores livros,  as descrições dos locais, personagens e as suas acções são fantásticas não havendo margem para dúvidas. Apesar das personagens serem de qualidade, o enredo é muito simples e nostálgico mas no entanto muito gratificante.
Os temas deste livro são muito adultos em que fala de crise de meia-idade, emprego, casamento, filhos, divórcio, tempo (vida e morte) entre outros. Recomendo este livro a pessoas já com alguma idade, pois os adolescentes não irão com certeza se identificar com as personagens e certamente com este livro. 
O livro apesar de ser pequeno, é rico em conteúdo fazendo o leitor ler o livro em poucas horas.

Recomendo o livro a pessoas que gostem de um simples romance para se ler numa bela tarde de domingo. Não esperem por um trama complexo, muito pelo contrário. É um enredo simples mas com umas belas personagens.

Nota: 9/10
O que é agradável: As personagens estão muito bem escritas no papel, têm realmente personalidade e sentimos uma certa empatia. Um enredo eficaz. As descrições não podiam ser melhores.

O que é desagradável: Apesar do enredo ser simples mas eficaz, gostaria de ter visto mais acontecimentos entre as duas personagens. Pois o livro dedica-se mais às personagens do que ao próprio enredo.

Vídeo-Analise:
http://www.youtube.com/watch?v=6k2Rm5o-jy0

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Análise do livro "Dívida de Sangue" - Saga Sangue Fresco Volume II

Dívida de Sangue é o segundo volume da Saga Sangue Fresco. Sookie Stackhouse é uma telepata que consegue ouvir os pensamentos das pessoas em seu redor. Num dia de trabalho conhece Bill, um vampiro que não consegue ouvir os pensamentos. Intrigada, conhece o vampiro e com isso muda drasticamente a sua vida.
A primeiro volume - Sangue Fresco - já foi analisado e podem ver a análise aqui.

O segundo volume passa-se dias após o grande final de Sangue Fresco e continua com a mesma fórmula - resolver um novo mistério. Começa com a morte de um colega de Sookie, e esta tem a necessidade em saber quem foi o culpado da morte do colega e amigo. Ao mesmo tempo está em dívida com Eric, e este pede que Sookie faça um "favor" a ele: Ir a Dallas procurar um vampiro desaparecido usando a sua habilidade. Sookie não tem outra solução senão atender o pedido de Eric.

Tal como "Sangue Fresco" o estilo de escrita continua o mesmo: Brilhante e viciante. As personagens são elaboradas e bem descritas, tal como as localizações. Charlaine Harris conseguiu - ao contrário de outros autores - fazer com que Dívida de Sangue seja melhor que o seu predecessor a muitos níveis: de personagens, de conflitos, de supresas, entre outros. 
O conflito que, no primeiro livro foi bom. Neste torna-se algo mais grande e mais perigoso,  onde existem vários antagonistas, surpreendendo o leitor em momentos que em pensamos que não vai acontecer nada. O enredo é bom mas menos complexo que o primeiro. 
Foco também que o livro não é para adolescentes mas sim para adultos devido ao seu conteúdo sexual.
Um ponto negativo é que achei que o os acontecimentos relevantes neste livro são poucos e com um final aberto, comparando com  o predecessor, tenho também em conta que o livro só tem 231 páginas. Outro ponto positivo/negativo é que quando acabei o livro, senti-me frustrado em não ter de imediato a terceira entrega - Clube de Sangue. =D

Recomenda-se a quem leu a primeira entrega, para quem gosta de vampiros e para quem simplesmente gosta de um bom livro de detectives.

Nota: 8.5/10

O que é agradável: Um enredo apelativo. O conflito e antagonismo é maior. Mais personagens importantes no enredo e não somente Sookie e Bill. Faz com que o leitor leia de imediato a terceira entrega.  

O que é desagradável: Algumas personagens secundárias que aparecem em Sangue Fresco mal aparecem no livro ou simplesmente não aparecem. O primeiro livro é mais "recheado" a nível de acontecimentos que nesta entrega, principalmente o final que é um pouco vazio.

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=LJVNv3GWPPw


Se tiverem perguntas a fazer dirijam-se a: www.formspring.me/davidscloud

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Análise do livro "Lua de Joana"

Lua de Joana é um popular livro de Maria Teresa Maia Gonzalez, que o tema é a vida de uma adolescente cuja amiga morreu de overdose. O livro rapidamente se tornou um bestseller no país lusitano e já conta com mais de trezentas mil cópias vendidas, mas a questão permanece: Será que o livro que se tornou popular é um livro de qualidade?

O livro trata-se de Joana, uma adolescente que vive com os seus pais, a avó e o seu irmão "problemático", o enredo começa quando a sua amiga Marta morre de overdose e o livro todo é narrado através de carta que Joana escreve para a amiga que já está morta.  
Em resposta à pergunta anterior, a resposta simples é definitivamente não! 
A Lua de Joana vai contra os princípios e as regras de contar um bom enredo, pois o enredo no livro praticamente não existe e a protagonista é um pouco vazia, não tendo objectivos durante todo o livro e tem acções rotineiras que no meio do livro já se tornam previsíveis. O principal problema deste livro é que não existe obstáculos durante o livro e como tal nenhum antagonismo. O livro basicamente conta a vida de Joana, descrevendo a sua vida, as saudades que tem sobre a amiga falecida e os indivíduos em sua volta, principalmente a sua familia.
Somando tudo, o único que me agradou neste livro foram as personagens secundárias que tem realmente personalidade, que fez que lesse o livro inteiro. 
Foi uma verdadeira batalha ler este livro, apesar das suas 154 páginas, que no principio se lia num dia, levei quase uma semana para o ler.
"Lá por um livro ser popular. Não quer dizer que seja bom." - Realmente é verdade.

Nota: 2/10

O que é agradável: Personagens secundárias com personalidade

O que é desagradável: A estrutura do livro. Protagonista previsível. Enredo e conflitos inexistentes.

Vídeo-análise:
http://www.youtube.com/watch?v=D3Xgp8lysAU