quarta-feira, 28 de abril de 2010

Análise do livro "Sangue Fresco"

Sangue Fresco é o primeiro volume de uma série de vampiros que começou em 2001, como um titulo experimental da autora Charlaine Harris que recente teve uma adaptação para o pequeno ecrã que tem enorme sucesso e que está a ser transmitida na RTP1 na madrugada (algumas pessoas não sabem fazer os horários de transmissão).

Numa sociedade onde se descobriu que os vampiros realmente existem e estes tentam integrar-se na sociedade onde lutam pelos seus direitos. Sookie Stackhouse é uma empregada de mesa em Bon Temps - uma pequena vila de Louisiana. É bonita e agradável mas tem um "problema": consegue ler os pensamentos das pessoas em seu redor... até que conhece Bill, um vampiro atraente que Sookie não consegue ouvir os pensamentos. 

Sangue Fresco é uma resposta às preces de alguns fãs de vampiros, que recentemente não lhes agradaram que a mitologia dos vampiros seja constantemente mudada (Crepúsculo, Série Casa da Noite, entre outros.), este é um livro de vampiros tradicionais para adultos, tendo algum conteúdo sexual e cenas de pancadaria.
O livro é no fundo um livro de mistério tendo, como pano de fundo, um mundo onde os vampiros coexistem com os humanos. A história baseia-se no encontro da protagonista Sookie com o vampiro Bill que tenta integrar-se na sociedade, mas com a chegada deste, vários assassinatos ocorrem tendo várias coisas em comum: Uma marca de caninos e são estranguladas. Mas o único suspeito não é somente o Bill, mas também o irmão de Sookie - Jason - já que este dormiu com as vitimas a noite em que morreram.*
A mitologia dos vampiros é baseado no folclore que todos conhecemos, mas numa perspectiva mais cientifica, em que o vampirismo é um vírus e o seu sangue tem algumas capacidades quando ingerido. Lembro que isto não é negativo, pois a abordagem cientifica sobre a mitologia já aconteceu nos zombies e lobisomens. 

Está muito bem escrito e detalhando, sendo por vezes viciante já que tem um arranque bastante bom e um final ainda melhor. O enredo da história é muito bom, sendo na sua base uma história de detectives, mas focando também no romance entre as duas personagens. No decorrer na história acontece várias reviravoltas, fazendo o leitor  intrigado e virar as páginas. É uma pena que o livro se centre nos assassinatos e as 2 personagens principais e não em algumas personagens secundárias em que valeria a pena terem um maior desenvolvimento. 
Recomendo este livro a fãs de vampiros e também a amantes de histórias de detectives. Faço lembrar que Sangue Fresco é um livro para adultos, tendo uma atmosfera adulta e não os típicos elementos das histórias juvenis.

Nota: 8.5/10
O que é agradável: Uma protagonista forte. A mitologia clássica dos vampiros. O enredo bastante bom e apelativo, tendo um clímax forte.

O que é desagradável: A personagem Jason está pouco desenvolvida, apesar de ter a sua importância na historia e sendo uma personagem interessante.

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=FMI_orD7W_8 

* - Isto não são Spoilers já que a descrição acima corresponde aos acontecimentos do 1ºCapitulo.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Análise do livro "Marcada"

Marcada é o primeiro da série Casa da Noite,  Uma escola de vampiros onde os marcados têm que amadurecer para a transição de humano para vampiro - A mudança. Se o corpo rejeitar a mudança, a pessoa que estiver marcada morre.

Zoey Redbird é uma típica adolescente de Tulsa, onde num dia normal de aulas é Marcada por um Caça. A partir desse momento tem que frequentar A Casa da Noite para não ter o terrível destino se o seu corpo rejeitar a mudança.
A marca que Zoey tem na testa é única, o que revela o quanto é especial... talvez enquanto frequente A Casa da Noite, mudanças irão ocorrer.



O livro mostra as aventuras de Zoey Redbird quando entra e frequenta na Casa da Noite, onde conhece novos amigos mas ao mesmo tempo ganha novos inimigos.  O livro é muito original por começar na mitologia dos Vampiros, o folclore que conhecemos actualmente não existe nesta série, sendo substituído por uma abordagem mais juvenil e menos violenta. As pessoas tornam-se Vampiros sendo marcadas (dai o nome do livro) com uma lua no meio da testa. E ao contrario de muitas histórias, os vampiros neste mundo são conhecidos pela humanidade como são "tolerados". 
Apesar disso o livro tem uma forte carga religiosa, sendo que os vampiros têm uma religião própria e costumes próprios adorando a Deusa Nyx. E sim, ao contrario no mundo em que vivemos,  a sociedade dos vampiros  é Matriarcal, onde as mulheres têm um papel mais importante que os homens.  

A escrita do livro é muito simples e viciante, fazendo o leitor virar de página e ler o livro inteiro em pouco tempo. A nível de enredo está muito bom, focando na apresentação do mundo dos vampiros. Contém várias reviravoltas mas nada de muito relevante, mas ao contrário de outros livros, existe conflitos desde o inicio da historia, tornando o enredo ainda mais viciante. Contudo durante a leitura  reparei que existem vários ecos da saga Harry Potter, porque o conceito de ambas séries são as mesmas: Um/a jovem descobre que é especial e frequenta uma escola onde aprende com os da sua espécie.   
Recomendo a leitores que gostaram da saga Harry Potter, pois a atmosfera e estrutura é semelhante; também recomendo quem goste de vampiros apesar das referencias de folclore actuais presentes no livros sejam quase nulas.

Nota: 7.5

O que é agradável: O mundo detalhado dos vampiros. A escola. Nova mitologia de vampiros, apesar de ser muito soft. Uma protagonista é que vulgar (não é uma Supergirl) que comete erros e aprende com eles.

O que é desagradável: Um antagonismo final e o objectivo da protagonista um pouco fraco. Referências sexuais um pouco sem contexto comparando no mundo em que se insere.

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=NQulQAv9TZU

domingo, 18 de abril de 2010

Análise do livro "Alugo o meu corpo"

Alugo o meu corpo é uma auto-biografia duma brasileira que na vinda de Portugal, se tornou prostituta. Escrito por Paula Lee (pseudónimo), Alugo o meu corpo trata-se de retratar o mundo da prostituição e do sexo, em que a autora explícita no inicio do livro que actualmente é uma "acompanhante independente", ao contrario do que meses atrás que fora uma simples prostituta.

O livro retrata a vida da autora na sua vida do Brasil, onde tem um emprego mas só ganha o suficiente para pagar as contas e pouco mais. Um dia, enquanto procura emprego na cidade encontra-se com o seu emprego de sexo: Sexphone.
A partir de ai conhece indivíduos que a convencem a ir para Portugal temporariamente, para ganhar muito dinheiro mas têm um contra: Tem que se prostituir!
Paula compra um bilhete de avião e dirigi-se a Portugal onde fica imersa no mundo da prostituição e do sexo.

O livro está escrito de uma forma simples, agradando a muitos públicos mas a sua linguagem e as várias referencias sexuais que o livro mostra, impossibilita o publico mais jovem ler. O livro tem 300 páginas mas dentro de si tem uma história complexa e cheias de reviravoltas, o que é muito bom para uma autora que publica o seu primeiro (e talvez único) livro.
Mas o que não agrada e confunde um pouco é a sua estrutura de enredo. Normalmente um/a autor/a escreve a sua história num espaço de tempo continuo e alguns dão uso de analepse para dar algum acontecimento anterior ou desvelar um passado da personagem. Assim sendo o livro de Paula Lee, metade do livro dá uso a várias analepses - capitulo sim, capitulo não - para desvelar ao leitor como Paula Lee foi ter a Portugal. Esta técnica de a autora usou, é no mínimo, raro e pouco prático, sendo que, não existindo uma referencia onde a "personagem" está, confunde o leitor. Esta técnica arrasta-se durante a primeira metade do livro.
Esquecendo isso, Alugo o meu corpo é um bom livro onde se aprende o que uma prostituta passa por estar neste meio, não é um livro só de sexo banal, mas sim um livro de emoções onde a autora vive as mais variadas emoções: Amor, amizade, desespero, raiva, dor e traição...

Nota: 8/10
O que é agradável: O desenvolvimento da "personagem". Humor sexual (não intencionado pela autora). O rumo da história. A descrição dos locais e das restantes personagens. Não existe aqueles momentos de conversa desnecessária. Simples e directo! :D

O que é desagradável: Primeira metade do livro mal estruturada, enquanto que num capitulo Paula está no Brasil no seguinte capitulo Paula já se encontra em Portugal (bem podia meter o nome do local e a data da acção), esta estrutura mantém-se até metade do livro até saber como Paula foi para Portugal.

Vídeo-Análise:

Análise do livro "Eclipse"

Eclipse é a 3ª entrega da saga Luz e Escuridão criada por Stephenie Meyer onde uma rapariga mortal - Bella - se apaixona por um vampiro que deseja o seu sangue. Desta união proibida provém também algumas consequências...
Bem este é o conceito da saga que anteriormente nomeei. Eclipse começa onde o Lua Nova acabou. Bella está prestes a acabar o liceu e quer ter uma vida com o seu companheiro - Edward Cullen - onde ambiciona ser uma vampira por desejo próprio e também porque os Volturi assim o dizem.

Desde já devo dizer que Eclipse emenda alguns erros que Stephenie Meyer cometeu durante a escrita de Lua Nova, que redigi durante a análise deste livro (veja a anterior análise). A 3º entrega já contém mais ritmo na história, vários plot-points (mais do que o anterior livro, mas ainda assim inferior ao desejado) e mais desenvolvimento entre personagens. Ainda assim, Eclipse contém ainda várias falhas na estrutura na história do livro, que irei nomear.
Na primeira metade do livro, o ritmo é pouco ou quase nulo (somente um ou dois plot-points relevantes) sendo que a prioridade dessa parte do livro é o desenvolvimento entre personagens e a revelação dos passados das personagens (Rosalie, Jasper...), sendo esta a única razão que me fez virar as páginas, pois o desenvolvimento da história é quase nula.
Na segunda metade do livro a situação já muda de figura. A sua prioridade já não são as personagens mas sim o desenvolvimento do enredo, onde contêm mais acção de qualquer dos livros anteriores. O livro contém um final aberto e o epílogo é escrito na perspectiva de Jacob Black, fazendo o leitor ler a sequela e "ultimo" capitulo da saga.

Nota: 7
O que é agradável: O regresso de Victoria. Mais ritmo na história. Passado das personagens. Vários conflitos no livro. Os acontecimentos no final do livro.

O que é desagradável: Livro mal estruturado em que a primeira metade do livro dedica-se mais a contar o passado das personagens e a segunda metade do livro dedica-se aos conflitos da história. A personalidade infantil de Jacob.

VÍDEO-ANÁLISE:
http://www.youtube.com/watch?v=iDwymzLoKoQ

Análise do livro "Lua Nova"

A primeira análise que vou apresentar é do livro "Lua Nova" de Stephenie Meyer que ganhou fama através da série Lua e Escuridão, onde Lua Nova é o segundo livro da série.
Lua nova começa com um sonho de Bella sobre a envelhecimento, desde então é "obcecada" com o envelhecimento e indisposta porque tecnicamente é mais velha que o seu parceiro Edward que tem 17 anos de vida (antes de ser convertido em vampiro).
Após isso vem consequências que põem em acção o motor de um novo relacionamento e descreve a face mais negra da vida de Bella.
O segundo livro de Stephenie Meyer em relação ao Crepúsculo é muito parado, o seu ritmo de acontecimentos é lento e os seus plot-points são poucos. Como o tema do livro é o amor quebrado (tal como Romeu e Julieta e sim têm algumas semelhanças), quem lê este livro fica ainda deprimido porque a protagonista passa por momentos escuros que não é recomendado a leitores que também tenham o seu estado de espírito quebrado (se lerem, procurem de imediato um livro de auto-ajuda).
O livro é muito grande para o conteúdo que têm e muita coisa podia ser cortada que os leitores nem se apercebiam que faltava algo - tal como conversas desnecessárias de ocupam capítulos inteiros (algo recorrente na série).

Recomenda-se a pessoas que gostaram do Crepúsculo e pouco mais, porque este livro em si não é muito atractivo.

Nota: 6/10
O que é agradável - O desenvolvimento da relação entre Jacob e Bella. Lobisomens. O aparecimento dos Volturi.

O que é desagradável - Victoria quase não aparece no livro (não existe confronto físico). Muito parado, sem ritmo, o argumento por vezes começa a arrastar-se um pouco pelo livro.
Aviso: O video-análise contêm alguns spoilers.