quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Estreia do filme "Eu Também Prometo" no FIKE

Este sábado, 21 de Outubro de 2010 vai estrear no FIKE (Festival Internacional de Curtas em Évora) o filme "Eu Também Prometo"  em que tive participação como guionista juntamente com o director do filme - Vítor Moreira.
Foi um longo processo desde a escrita em 2009 até à estreia. Um processo de aprendizagem mas também de dedicação para que o filme fosse feito. Espero que, se tiverem oportunidade, o possam ver no Festival.

Ficha Técnica
Realização: Vitor Moreira
Edição: Vitor Moreira
Produção: Zorra Produções Artísticas/Panatainies
Elenco: Ana Rita Rodrigues, Carlos Calvo
Argumento: Vítor Moreira, David Andrade
Assistente Realização: Yoann Crochet
Produtor Executiva: Takis Sarandopoulos, Ana Rita Rodrigues
Director Fotografia: João Guerra
Assistentes de Câmara: Pedro Bizarro, Ricardo Frade
Som: João Bacelar
Assistentes: Emisson Pina, Edmar Lopes
Sinopse :Miguel e Beatriz estão casados faz 7 anos, mas o amor em comum já não faz parte das suas vidas. Agora, enquanto Miguel viaja na Internet e se esconde nos jogos de computador, Beatriz refugia-se nos programas de televisão que se dedicam a recuperar casas, jardins e divisões moribundas. Cada um com o seu mundo, a vida passa a ser virtual, por troca com a realidade. Então o inesperado acontece. A porta fica encerrada por dentro e o casal vê-se privado do regresso. Fechados na varanda daquela vivenda isolada do mundo, Miguel e Beatriz têm agora de coabitar juntos.



Actualização: O filme foi seleccionado para um festival nos Açores.

domingo, 5 de setembro de 2010

Análise do livro "O Diário de Carrie"

Diário de Carrie é uma prequela ao livro de grande êxito "Sexo e a Cidade" de Candace Bushnell que originou uma série de televisão - também de grande êxito - com o mesmo nome.

Antes de Nova Iorque. Antes da coluna sobre o sexo e o amor mais lida no Big Apple. Antes da entrada das suas amigas, os sapatos, os cosmopolitans e claro os homens, Carrie era uma rapariga numa pequena cidade americana que desejava ir mais longe.
É ai que entra Sebastian Kidd. Alto, loiro e sedutor, Carrie entra num mundo de emoções e de traições enquanto decorre o último ano na secundária. 



Após a leitura do livro, vimos que se baseia em 2 fundamentos: A ligação, seja de amizade ou de amor e a maturidade enquanto adolescente.
O livro trata-se essencialmente de expor a juventude da colunista mais famosa do planeta, mostrando as suas alegrias e tristezas, os seus amigos, família e essencialmente os seus amores. 
Carrie tem dezassete anos e está no último ano na secundária numa pequena cidade, as suas ambições é ir-se embora para uma grande cidade e tornar-se escritora. Ao entrar encontra Sebastian Kidd a quem se sente muito atraída, mas ele está com outra miúda da sua escola, a típica "venenosa" da escola. Mas isso impede que os dois se juntem? Ao mesmo tempo mostra os dilemas que a familia de Carrie tem juntamente com os seus amigos. 

A série da HBO "Sexo e a Cidade" fizeram famosas as vidas de Carrie, Samantha, Charlote e de Miranda a um patamar totalmente diferente do livro. Apesar de "O Diário de Carrie" não ter o glamour do livro e da série, vale a pena a sua leitura?
A resposta é sim.
"O Diário de Carrie" é um romance com personagens sólidas e um bom e bem estruturado enredo. A escrita de Candace Bushnell é muito acessível fazendo o leitor virar de página, apesar de que alguns momento devido a grande diversidade de personagens que o livro têm, são nos dadas por vezes, muita informação ao mesmo tempo das várias personagens, tornando o leitor por vezes confuso. Mas é um problema em que são raras as vezes que ocorre.
O enredo tem um bom ritmo não mostrando cenas pausadas ou de muita conversa, existe um acontecimento em especial que é bastante previsível mas isso não faz com que o enredo seja mais, muito pelo contrário. Tem um bom antagonismo, seja ele físico ou emocional. Seja bom salientar que este livro não tem nada a ver com "Sexo e a Cidade", excepto a sua protagonista. 
Este capitulo da juventude de Carrie está dividida em dois volumes, sendo este o primeiro e o segunda irá para as livrarias no Verão de 2011. Contém um final aberto mas ao mesmo tempo reparamos que a vida de Carrie irá para um patamar totalmente diferente, sugerindo também que a sequela deverá ser bastante diferente. 

"O Diário de Carrie" é um romance bastante sólido, com um enredo inteligente e também uma grande diversidade de personagens. É obrigatório para quem gostou do livro anterior e da série e recomendável para quem goste de um romance, seja ele sobre amor ou sobre a amizade. 

Nota: 8.5
O que é agradável: A protagonista. As relações entre Carrie e os seus amigos. A grande variedade de personagens. O enredo sólido e bem estruturado. As reviravoltas. O antagonismo (seja ele emocional ou físico).

O que é desagradável: Um acontecimento em concreto que é bastante previsível. Existem momentos em que nos é dada demasiada informação sobre diversas personagens, fazendo o leitor confuso.

Vídeo-análise:
http://www.youtube.com/watch?v=KOyop_ZCi6A

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Férias até Setembro

O blogue vai deixar de ser actualizado no mês de Agosto porque estou de férias e tenho trabalhos pendentes ainda por fazer. 
Não se preocupem que estará de volta em Setembro!

Assim me despeço e vos desejo umas boas férias.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Site oficial já está no ar!

Com meses de dedicação a este blog e aos livros, já está no ar o site oficial "Análises Literárias".
Um local onde está disponível toda a informação encontrada neste blog mas com uma maior organização, juntamente com informação dos autores e eventos no mundo literário.




Não deixe de visitar e... divulgue! Assim aumentamos a nossa pequena comunidade de leitores.


P.S. - A análise desta semana foi adiada devido à criação do site. Espero a vossa compreensão.

domingo, 1 de agosto de 2010

Análise do livro "Queimada Viva"

O livro foi publicado em 2003 e foi de imediato um bestseller, estando em bocas em todo o mundo. Pois, é um relato de uma sobrevivente num crime que mal é falado, que são os crimes de honra, tais crimes que não são puníveis porque tem o propósito de defender a honra da família.  

 Souad é uma mulher que vive na Cisjordânia, que foi julgada por sentir algo totalmente banal para alguns  - o amor. A sua sentença é rápida e mortal, deitar-lhe em gasolina e atear-lhe fogo. 








O livro começa a descrever a sociedade numa pequena aldeia da Cisjordânia, onde as mulheres não tem regalias nenhumas e os homens são tratados como príncipes. Souad conta também a mentalidade retrógrada da população, onde as mulheres não tem valor nenhum e matam os filhos à nascença se for do sexo feminino.
Após a descrição da sociedade, começa a história de Souad, nas suas três fases da vida: Souad, a escrava; Souad, a vítima e Souad, a sobrevivente. 
O estilo de escrita é bastante simples, mas ao mesmo tempo com bastante pormenores, tais pormenores que enriquecem ainda mais o livro sem o leitor tenha desejo de largar o livro, muito pelo contrário, durante esta leitura raro foram as vezes que tive de largar o livro, é totalmente viciante, não pelo tipo de escrita mas pelo mundo onde o livro se insere.
O antagonismo não é um típico mau, o antagonismo deste livro é a sociedade, logo a protagonista sente em todo o momento o sentimento de perigo, fazendo este livro muito imprevisível. Vemos das mais variadas personagens, com sentimentos. Personagens humanas.

É uma leitura obrigatória.

Nota: 9.5

O que é agradável: As descrições ao longo de todo o livro - a sociedade, as personagens, entre outros. O enredo. É totalmente imprevisível. A jornada da protagonista. O antagonismo.

O que é desagradável: A escrita é muito boa, mas certas partes podia melhorar. 

VÍDEO-ANÁLISE:
http://www.youtube.com/watch?v=SH4TixclW4g

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Análise do livro "Sangue Oculto"

Sangue Oculto é o quarto capitulo da saga Sangue Fresco, que descreve a vida de Sokkie Stackhouse e os mistérios em Bon Temps, uma pequena cidade de Louisiana onde Sokkie vive.

Este capitulo da saga começa com uma reunião de Sokkie e Bill após a sua traição com Lorena em Mississipi, aí ele conta que tem que ir a América Latina devido a uma missão que lhe foi dada pela Rainha de Louisiana.
Ao regresso a casa, encontra Eric, no seu estado mais frágil possível - ferido e com amnésia. 
Com o novo mistério de como e quem provocou a amnésia ao xerife de Louisiana, Sokkie envolve-se uma batalha entre vampiros, metamorfos, lobisomens e bruxas...

Sangue Oculto tem, tal como o seu predecessor, um óptimo arranque, não envolvido um mistério de assassinatos, mas sim um mistério de um desaparecimento sendo muito semelhante ao capitulo anterior, Clube de Sangue. Com o óptimo arranque, e com vários mistérios ao longo de todo o livro, Sangue Oculto introduz as bruxas neste mundo mitológico de Bon Temps. As personagens são as mesmas, mas, tal como os anteriores, introduz novas personagens. Não são muito importantes na vida de Sokkie, mas faz avançar a enredo de forma benéfica para o leitor.
Contudo, o antagonismo permanece forte durante os 2 primeiros terços do livro. Mas parece que, à medida que se aproxima do final, não traz a sensação de perigo às personagens, fazendo um antagonismo presente porém um pouco fraco no final. Saliento também que o estilo de escrita da autora continua o mesmo, não havendo nenhuma inovação com evolução, contudo não desce o nível de qualidade, o que é raro em séries literárias escritos pelo mesmo autor.

É um bom livro, mas nada de espectacular. Recomenda-se aos fãs de Sangue Fresco e fãs de vampiros em geral. 


Nota. 8/10
O que é agradável: O arranque do livro. O "Novo" Eric. Vários mistérios no livro.

O que é desagradável: A ausência de Bill ao longo de todo o livro. As bruxas não parecem assim tão perigosas.  

VÍDEO-ANÁLISE:
http://www.youtube.com/watch?v=dPROAM2DYKo

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Análise do livro "A breve segunda vida de Bree Tanner"

A breve segunda vida de Bree Tanner é um livro de acompanhamento (ou spinoff como dizem nos EUA) do livro Eclipse, a terceira entrega da série Crepúsculo. O livro, tal como o titulo o diz, aborda a vida de Bree como vampira, este é um livro 'diferente' da série pois é uma perspectiva totalmente diferente, não tendo quase relação nenhuma com Bella. 

Quem leu ECLIPSE, sabe que Bree não tem um destino muito feliz. O livro relata a vida da personagem, contando o dia-a-dia dela, incluindo o comportamento dos seus companheiros recém-nascidos e das suas amizades. 




Stephenie Meyer conquistou vários milhões de fãs, mas entretanto na sua última entrega afastou alguns milhares deles. Agora, será que este livro está na mesma categoria da série original ou superior?

Primeiro de tudo, devo já dizer que o livro tem apenas 157 páginas e consegui acaba-lo em apenas 4 horas. Quem se queixa que os livros da autora são muito extensos ou que o ritmo é bastante lento, não tenha medo que, eu que não gostei muito da série original, achei agradável este livro.

O arranque deste livro é bastante bom, pois mostra ao leitor o quanto os recém-nascidos são selvagens (algo que não se demonstrou em Bella em Amanhecer), mas ao mesmo tempo entre o grupo existe um clima de competitividade e de traição entre eles. Bree é uma recém vampira que não se consegue integrar no seu grupo criado por Victoria, mas mesmo assim consegue encontrar aliados que se encontram na mesma posição que ela e que começa a nutrir várias emoções. Com um amigo ao seu lado, Bree tenta descobrir porque o grupo foi criado e porquê.      
O estilo de escrita continua o mesmo de que Eclipse só que a principal diferença é que nos anteriores livros a autora enchia páginas de conversas desnecessárias não faziam o enredo evoluir. Neste livro já não existe tanto em que quando li o livro foi bastante agradável. Mas ao avançar não pude encontrar quaisquer tipo de força oposta neste livro - o antagonismo. Este é nulo na história, pois a protagonista consegue ir no seu caminho sem quaisquer obstáculos para o seu derradeiro objectivo. O final foi que se ela 'esteve no sitio errado, no momento errado' caso contrário acho que seria um final mais agradável. 

Recomendo a fãs do Crepúsculo, principalmente quem não gostou de Amanhecer. 
É um livro que se lê bem, mas não existe nada que não sabíamos antes.

Nota: 7.5/10
O que é agradável: A personagem de Bree. Ter uma perspectiva totalmente diferente do mundo de Crepúsculo. Os relações entre Bree e as outras personagens. Um livro pequeno, simples e directo.

O que é desagradável: Não existe antagonismo nenhum. O objectivo da personagem poderia ser mais forte. O preço do livro. 

Vídeo-Análise: 
http://www.youtube.com/watch?v=4LzFfatVmuU

sábado, 10 de julho de 2010

Análise do livro "Clube de Sangue"

Clube de Sangue é o terceiro volume da Saga Sangue Fresco. Sookie Stackhouse é uma telepata que consegue ouvir os pensamentos das pessoas em seu redor. Num dia de trabalho conhece Bill, um vampiro que não consegue ouvir os pensamentos. Intrigada, conhece o vampiro que muda drasticamente a sua vida.

O terceiro volume começa com um bom arranque dizendo o objectivo da personagem e o mistério que tem que resolver. Bill, namorado de Sokkie diz-lhe que vai ausentar-se em missão comandada pela rainha do Louisiana. Mas com o tempo, Bill ausenta-se por demasiado tempo e Sokkie, juntamente com Eric vão à sua procura.



Apesar do seu óptimo arranque que faz com que o leitura se faça sem pausas, no meio do livro a acção vai diminuindo mas mesmo assim dentro do desejado. Mas a autora justifica esta 'falta' de acção com o desenvolvimento emocional entre personagens do livro. Assim digo que este livro é mais dedicado às personagens do que aos acontecimentos. Ao mesmo tempo os leitores não deverão esquivar-se à leitura deste livro, pois os acontecimentos e os relacionamentos entre personagens irão reflectir no capitulo seguinte. 
O estilo de escrita continua o mesmo que os anteriores - excelente - mas penso que este capitulo da saga tem mais calão que os anteriores, o que para mim não faz diferença nenhuma, mas é bom salientar estes pormenores. 
O antagonismo do livro está no mesmo nível do ritmo da acção - menor que o anterior mas mesmo assim ainda dentro do desejável - esperava mais porque o antagonismo  no segundo livro tornou-se maior do que o primeiro capitulo e esperei que neste capitulo seria maior que no seu predecessor. Mas tal não aconteceu mas mesmo assim não desiludiu.

Recomendo aos fãs da série e para quem gosta de um bom livro de vampiros.

Nota. 8/10
O que é agradável: O arranque do livro. O desenvolvimento das relações entre personagens. As acções de Sokkie que são totalmente imprevisíveis.

O que é desagradável: Na metade do livro a acção é algo parada. O antagonismo é menor que o seu predecessor.

Video-análise:
http://www.youtube.com/watch?v=5EFr2ARiGcs

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Revista Trimestral do Blogue

Foi criado hoje a revista oficial do blogue onde serão reunidas todas as análises e alguns extras que ainda estão por designar. A revista encontra-se na barra de navegação do blogue.

A 1º edição contém as análises feitas entre Abril até Julho.
Espero que gostem.
=D

domingo, 27 de junho de 2010

Análise do livro "Hush, Hush"

Numa aula normal de Biologia Nora Grey é obrigada a ter como colega Patch, que é um verdadeiro badboy por excelência. Os dois são seres completamente diferentes e até opostos em todos os sentidos até que a atracção pelos dois começa a nascer e a ficar mais forte. Mas existe um problema - Quem é o Patch? É perigoso? Durante a investigação Nora descobre segredos... segredos que nunca deviam ser revelados.   
 
Hush, Hush é um livro que retrata um amor proibido: Um amor entre uma humana e um anjo caído. Quando foi lançado nos Estados Unidos tornou-se de imediato um Bestseller na lista do New York Times e esteve nos Top por múltiplas semanas consecutivas. 

Finalmente chega a Portugal e a pergunta que permanece é: O livro é bom?

Hush, Hush é um livro um pouco difícil de descrever porque ao acabar de ler o livro fiquei um pouco dividido, pois não é o que estava à espera mas ao mesmo tempo continua a ser um bom livro. 
O livro é no fundo uma típica história de amor de adolescentes mas tendo como pano de fundo o mundo místico dos anjos e os imortais. Limita-se a explorar mais as personagens que estão no mundo de hush, hush do que o enredo. Existe uma variedade de personagens que facilmente nos identificamos e com isso nasce uma empatia com os mesmos. A autora faz isso muito bem apesar de ser o seu livro de estreia. 
Ao mesmo tempo, penso que o mundo de hush, hush não foi devidamente explorado, especificamente o mundo dos anjos. 
O livro está bem escrito e detalhado, excelente para uma leitura de uma tarde de verão. Contém várias reviravoltas ao longo do livro mas ao contrário de outros, as reviravoltas afectam principalmente as personagens e não o enredo. O antagonismo quase não aparece no início, mas à medida de progredimos na história vai-se tornando mais forte, tendo no final uma boa resolução mas com pontas soltas para uma sequela (sequela esta que já está confirmada - chama-se CRESCENDO e sai nos EUA no dia 19/10/2010).
Basicamente é um livro com muito romance de adolescentes, mistérios e uma pitada de sobrenatural. 
(Convém dizer que a capa do livro engana um bocadinho... :-/ )

Para quem anda farto de Crepúsculo e companhias limitadas este livro é bom para si, pois dá uma lufada de ar fresco. 

Nota: 7.5/10
O que é agradável: Personagens agradáveis. Tem um bom ritmo e a escrita é bastante simples e agradável, boa para se ler na praia numa tarde de Verão. Os anjos.

O que é desagradável: Onde estão os anjos? Um antagonismo fraco, mas no final faz todo o sentido.  

Vídeo-análise:
http://www.youtube.com/watch?v=OJ422xIBx4I

quinta-feira, 24 de junho de 2010

100 subscrições no YOUTUBE!

Neste querida data assinala-se o dia em que o canal Analises Literárias tem o seu 100º Subscritor! Com dois meses de dedicação e empenho, mostra-se que esta nova forma de mostrar e incentivar a leitura está a ser um sucesso!

Obrigado a todos os subscritores...
e estejam atentos!

Poderão haver surpresas!!! =D
www.youtube.com/davidscloud

domingo, 20 de junho de 2010

Análise do livro "Amanhecer"

Amanhecer é a última entrega da saga Luz e Escuridão criada por Stephenie Meyer onde uma rapariga mortal - Bella - se apaixona por um vampiro que deseja o seu sangue.
Bem este é o conceito da saga que anteriormente nomeei. Amanhecer começa pouco depois dos acontecimentos de Eclipse, quando Bella toma a decisão de se casar com Edward e se tornar imortal. Com essas decisões a protagonista irá ter graves consequências.

Eclipse melhorou em certos aspectos e tornou-se uma melhor leitura do que Lua Nova, mas em Amanhecer já não é o mesmo caso.
Após acabar de ler Amanhecer e tive uma retrospectiva do mesmo, não encontrei uma razão sólida da existência deste livro a não ser por questões monetárias. Mas irei por partes.

Stephenie Meyer provou nesta saga que pouco desenvolveu o seu estilo de escrita já que é quase o mesmo desde que escreveu o Crepúsculo - mas neste, de uma forma ainda mais prejudicial para o leitor. A enredo é quase não existente (que se pode resumir em 3 linhas), as personagens pouco desenvolvem (a não ser a protagonista), o ritmo é quase nulo e todo o livro é previsível - excepto o final claro que desilude bastante. O mais grave neste livro é que a autora teve a coragem de se contrariar a si própria, pois diz uma coisa que não pode acontecer e 30 páginas depois acontece no livro.   
O livro está dividido em 3 partes - a primeira e terceira parte na perspectiva de Bella e a segunda parte na perspectiva de Jacob - apesar de ser agradável termos duas perspectivas totalmente diferentes, mal fazem desenvolver o enredo e só serve para criar mais tensão no enredo - tensão esta que é anulada no final da maneira mais estupidamente possível.
A razão para a leitura é só para saber os detalhes de acontecimentos que já estávamos à espera desde Lua Nova e mais nada, os acontecimentos restantes são irrelevantes, contraditórios e sem sentido só preenchendo mais páginas e perder ainda mais tempo ao leitor. 
O final é o que mais desilude, faz com que o enredo deste livro não tenha justificação para a sua existência.

Simplesmente para os fãs de Crepúsculo e ainda assim mesmo irão ficar desiludidos.

Nota: 4/10

O que é agradável: As novas personagens que aparecem que são diversificadas. O que já estávamos à espera desde Lua Nova. A evolução de Bella.

O que é desagradável:Acontecimentos que se contradizem a si mesmos e sem qualquer sentido. O estilo de escrita que não desenvolve. Livro muito extenso. Nova perspectiva sem qualquer evolução no enredo. Os acontecimentos no final da saga são desagradáveis.

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=L9UOXQeyqnA

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Entrevista exclusiva com o autor de Solução Primária - Hélder Medeiros

Quando fiz a análise entrei em contacto com o autor e consequentemente fiz-lhe algumas perguntinhas. Veja a análise do seu livro aqui.

Feito para vocês, aqui está a entrevista exclusiva!




A.L - De onde veio a ideia de escrever um livro? Foi algo premeditado ou algo espontâneo?
HM -A ideia de escrever um livro foi mais um passo lógico. A minha vida sempre esteve de alguma forma ligada às letras e à escrita. Desde a altura em que era um mero passatempo nos tempos de estudante, com a fundação da revista literária Neo na Universidade dos Açores, até ao ponto em que se tornou uma forma de subsistência, quando comecei a trabalhar na área do jornalismo ou na produção de textos humorísticos.
Ponderando esta ligação à escrita inerente à minha própria personalidade, e considerando que tenho inclusive outros trabalhos publicados, penso que a edição de um livro era efectivamente o próximo passo lógico.

A.L - Porque escreveu sobre um ex-operacional da G.O.E. da PSP? Porque não um arqueólogo ou um detective?
HM -E porque não um ex-operacional da G.O.E.? Queria alguém que fosse inteligente, mas ao mesmo tempo forte, ágil, com conhecimentos em artes marciais e armas. Enfim, um personagem versátil o suficiente para deslindar um mistério, mas ao mesmo tempo capaz de neutralizar um inimigo. Os americanos recorrem muito aos agentes do FBI para conseguir um personagem deste género, eu optei por um ex-operacional da G.O.E., até porque esta é uma das forças de elite mais respeitadas da Europa.

A.L - Teve algumas influências? Quais?
HM -Não posso dizer que tenha tido o escritor X ou o escritor Y como influência. O Romance Policial é um género que me agrada bastante e foi por aí que decidi entrar. Como é lógico, sendo este o meu género favorito, leio bastantes livros e bebo este estilo, por isso acho que é mais seguro dizer que fui influenciado por um género e não por escritores em particular.

A.L - Irá haver uma sequela?
HM -Não está planeada… ainda.

A.L -Qual foi a parte mais divertida de escrever o livro? E a parte mais... digamos "difícil"?
HM -A parte mais divertida foi a escrita em si. Gosto de narrar, gosto de inventar diálogos, de brincar com conceitos, com ideias, gosto de dar voltas ao enredo e surpreender-me a mim mesmo quando escrevo, decidir se uma personagem vira à esquerda ou à direita, se sobrevive ou não, explorar a sua personalidade, conduzi-la através dos seus receios, sentir o que ela sente e descrevê-lo... Enfim, gosto de criar o meu próprio mundo e fazer dele o que bem entender.
O mais difícil é mesmo acabar o livro, já que, para quem escreve, nunca se chega a um ponto em que se diga “Está pronto!”. Um livro, para o escritor, é sempre uma obra inacabada….

A.L - O que pensa do mercado literário em Portugal?
HM - É um mercado onde é mais fácil entrar um escritor estrangeiro do que um nacional. E mais não digo…

A.L - O que pensa do Blog "Análises Literárias" e do seu canal youtube? Alguma recomendação?
HM - É sempre salutar um blog escrito por um jovem e que promove literatura junto dos jovens, e não só. Pessoalmente, já subscrevi ao RSS do blog e ao canal do youTube. Está de parabéns! Houvesse mais

sábado, 5 de junho de 2010

Lista das análises em PDF!

Bem, já vamos no 10º análise!

Como as análises se estão a acumular semana após semana, criei uma lista das análises já feitas até à data, para uma melhor interface aos novos utilizadores. 
Espero que gostem.

Análise do livro "Traída"

Traída é o segundo livro da série Casa da Noite criada por PC Cast e Kristin Cast, mãe e filha respectivamente. 
Zoey Redbird entra na escola da Casa da Noite, uma espécie de liceu onde os alunos foram marcados por Caças. Durante a estadia têm que emadurecer para vampiros adultos. Se o corpo rejeitar a mudança, morrem terrivelmente.
O primeiro livro - Marcada -  já foi analisado e podem ver a análise aqui.

Traída começa um mês após o final de "Marcada" - a retirada de Afrodite na Filhas das Trevas e a nomeação de Zoey como a nova líder. 
No mundo dos humanos, ex-colegas de Zoey morrem com umas circunstâncias estranhas, de forma que os humanos suspeitem que os vampiros são os culpados. Entretanto Zoey tenta reorganizar a sua nova vida como líder das Filhas das Trevas. *

Quem gostou do primeiro livro irá estar familiarizado com este livro, mas se não se lembrar de "Marcada" não faz mal, pois o primeiro terço do livro irá fazer uma retrospectiva do primeiro livro - O que é positivo. 
A escrita do livro continua igual ao seu predecessor, com um vocabulário acessível mas sobretudo viciante, em que irá fazer o leitor virar de página e quando der por isso está na pagina cento e tal e o livro fica finalizado em poucos dias. 
O enredo deste volume, é inferior ao original, pois as reviravoltas são poucas, o antagonismo existe mas é muito passivo e conflitos/obstáculos são  poucos. O livro dedica-se mais às relações da protagonista (amizade, amor, etc.) do que ao enredo em si. Apesar disso algumas revelações do livro são bastante previsíveis.

O livro não é mau de todo, mas duvido que atraia mais leitores. Somente para quem gostou de Marcada e pouco mais.

Nota: 7/10

O que é agradável: A retrospectiva do livro anterior. Relações entre personagens.

O que é desagradável: Acontecimentos previsíveis. Enredo podia ser melhor. Conflito/obstáculos fracos. 

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=L9Mzuywq2FI

*- Não são spoilers, o que está descrito acima foi retirado da contracapa do livro.

sábado, 29 de maio de 2010

Análise do livro "Solução Primária"

Solução Primária é o primeiro livro de Hélder Medeiros, um comediante açoriano que ganhou fama através dos seus vídeos no youtube onde se destaca a série "E se... tivesse sido feito nos Açores?". 

O livro conta a historia de David, um ex-operacional da G.O.E (Grupo de Operações Especiais) da PSP, que é contactado por um familiar duma vítima de uma missão fracassada de salvamento numa embaixada tomada por supostos terroristas.
Aí é lhe revelado revelações surpreendentes sobre o ataque à anos atrás, indo numa busca à verdade.





O livro é contado na terceira pessoa, contando a vida de David deste a sua primeira e fracassada missão como operacional da G.O.E. na embaixada no Porto, até a contacto do familiar de uma das vitimas do ataque para a sua suposta resolução do caso.
O livro que no início parece um policial (pelo menos para mim) começa a evoluir para uma aventura  com mistura de James Bond com Robert Langdon. A acção nunca pára e a história é muito entusiasmante. O método do autor para fazer o leitor agarrado ao livro é verdadeiramente muito eficaz, porque o livro tem muitos capítulos (39 para ser exacto) e no final de cada capitulo existe uma reviravolta. Mas não é de todo positivo pois alguns capítulos só tem apenas 2 ou 3 páginas o que faz com que seja uma leitura muito pausada. 
As relações entre personagens são muito boas, incluindo as personagens em si, mas a sua descrição é nula. Num livro com um bom e credível enredo, não existem quaisquer descrições das personagens e locais e quando o existem são muito vagas. O que é um pouco grave! Pois se não tivesse essa falha teria um 10!
 
Em soma, é um livro bom e com muito potencial apesar da sua falha. Não hesito em recomendar devido a qualidade de escrita e do seu enredo.
Para quem gosta de James Bond, dos livros de Dan Brown ou de simplesmente uma aventura vale a pena lerem este livro.

Nota: 7.5/10

O que é agradável: O enredo entusiasmante e as suas personagens. O mecanismo que o autor fez para manter o leitor agarrado ao livro. As várias reviravoltas. A força antagonista do enredo.

O que é desagradável: Por vezes sentimos que existem demasiados capítulos, porque faz com que seja uma leitura pausada. Não existe praticamente descrições físicas das personagens ou dos locais.

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=6DULgMXnGqw

domingo, 23 de maio de 2010

Análise do livro "O sorriso das estrelas"

O Sorriso das estrelas é um popular livro que está na 26º edição do aclamado Nicholas Sparks que já escreveu vários bestsellers. A popularidade e qualidade é imensa que em 2008 teve a sua adaptação cinematográfica. O filme apesar de não ter sido muito aceite pelos críticos, teve um enorme sucesso na bilheteira.

O livro trata-se de Adrienne Willis e de Paul Flanner, dois desconhecidos em que cada um têm os seus problemas pessoais típicos de pessoas de meia-idade. 
Um dia, Adrienne faz o favor à amiga para cuidar da sua estalagem em Rodanthe e assim o faz. Nessa mesma noite o seu unico cliente é Paul. No fim-de-semana em que ambos estão sós, cresce um amor que irá para sempre mudar as suas vidas.


O livro é contado na perspectiva de terceira pessoa, descrevendo as vidas dos protagonistas, desde os tempos de criança até ao momento em que os dois se reúnem na estalagem. Este método é no mínimo, muito gratificante pois assim sentimos mais empatia pelas personagens e as conhece-mos melhor. 
Nicholas Sparks têm um estilo de escrita muito próprio. Faz o seu trabalho de casa, fabricando as personagens tendo no final, umas personagens fantásticas no papel.  
A nível de descrições é certamente um dos melhores livros,  as descrições dos locais, personagens e as suas acções são fantásticas não havendo margem para dúvidas. Apesar das personagens serem de qualidade, o enredo é muito simples e nostálgico mas no entanto muito gratificante.
Os temas deste livro são muito adultos em que fala de crise de meia-idade, emprego, casamento, filhos, divórcio, tempo (vida e morte) entre outros. Recomendo este livro a pessoas já com alguma idade, pois os adolescentes não irão com certeza se identificar com as personagens e certamente com este livro. 
O livro apesar de ser pequeno, é rico em conteúdo fazendo o leitor ler o livro em poucas horas.

Recomendo o livro a pessoas que gostem de um simples romance para se ler numa bela tarde de domingo. Não esperem por um trama complexo, muito pelo contrário. É um enredo simples mas com umas belas personagens.

Nota: 9/10
O que é agradável: As personagens estão muito bem escritas no papel, têm realmente personalidade e sentimos uma certa empatia. Um enredo eficaz. As descrições não podiam ser melhores.

O que é desagradável: Apesar do enredo ser simples mas eficaz, gostaria de ter visto mais acontecimentos entre as duas personagens. Pois o livro dedica-se mais às personagens do que ao próprio enredo.

Vídeo-Analise:
http://www.youtube.com/watch?v=6k2Rm5o-jy0

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Análise do livro "Dívida de Sangue" - Saga Sangue Fresco Volume II

Dívida de Sangue é o segundo volume da Saga Sangue Fresco. Sookie Stackhouse é uma telepata que consegue ouvir os pensamentos das pessoas em seu redor. Num dia de trabalho conhece Bill, um vampiro que não consegue ouvir os pensamentos. Intrigada, conhece o vampiro e com isso muda drasticamente a sua vida.
A primeiro volume - Sangue Fresco - já foi analisado e podem ver a análise aqui.

O segundo volume passa-se dias após o grande final de Sangue Fresco e continua com a mesma fórmula - resolver um novo mistério. Começa com a morte de um colega de Sookie, e esta tem a necessidade em saber quem foi o culpado da morte do colega e amigo. Ao mesmo tempo está em dívida com Eric, e este pede que Sookie faça um "favor" a ele: Ir a Dallas procurar um vampiro desaparecido usando a sua habilidade. Sookie não tem outra solução senão atender o pedido de Eric.

Tal como "Sangue Fresco" o estilo de escrita continua o mesmo: Brilhante e viciante. As personagens são elaboradas e bem descritas, tal como as localizações. Charlaine Harris conseguiu - ao contrário de outros autores - fazer com que Dívida de Sangue seja melhor que o seu predecessor a muitos níveis: de personagens, de conflitos, de supresas, entre outros. 
O conflito que, no primeiro livro foi bom. Neste torna-se algo mais grande e mais perigoso,  onde existem vários antagonistas, surpreendendo o leitor em momentos que em pensamos que não vai acontecer nada. O enredo é bom mas menos complexo que o primeiro. 
Foco também que o livro não é para adolescentes mas sim para adultos devido ao seu conteúdo sexual.
Um ponto negativo é que achei que o os acontecimentos relevantes neste livro são poucos e com um final aberto, comparando com  o predecessor, tenho também em conta que o livro só tem 231 páginas. Outro ponto positivo/negativo é que quando acabei o livro, senti-me frustrado em não ter de imediato a terceira entrega - Clube de Sangue. =D

Recomenda-se a quem leu a primeira entrega, para quem gosta de vampiros e para quem simplesmente gosta de um bom livro de detectives.

Nota: 8.5/10

O que é agradável: Um enredo apelativo. O conflito e antagonismo é maior. Mais personagens importantes no enredo e não somente Sookie e Bill. Faz com que o leitor leia de imediato a terceira entrega.  

O que é desagradável: Algumas personagens secundárias que aparecem em Sangue Fresco mal aparecem no livro ou simplesmente não aparecem. O primeiro livro é mais "recheado" a nível de acontecimentos que nesta entrega, principalmente o final que é um pouco vazio.

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=LJVNv3GWPPw


Se tiverem perguntas a fazer dirijam-se a: www.formspring.me/davidscloud

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Análise do livro "Lua de Joana"

Lua de Joana é um popular livro de Maria Teresa Maia Gonzalez, que o tema é a vida de uma adolescente cuja amiga morreu de overdose. O livro rapidamente se tornou um bestseller no país lusitano e já conta com mais de trezentas mil cópias vendidas, mas a questão permanece: Será que o livro que se tornou popular é um livro de qualidade?

O livro trata-se de Joana, uma adolescente que vive com os seus pais, a avó e o seu irmão "problemático", o enredo começa quando a sua amiga Marta morre de overdose e o livro todo é narrado através de carta que Joana escreve para a amiga que já está morta.  
Em resposta à pergunta anterior, a resposta simples é definitivamente não! 
A Lua de Joana vai contra os princípios e as regras de contar um bom enredo, pois o enredo no livro praticamente não existe e a protagonista é um pouco vazia, não tendo objectivos durante todo o livro e tem acções rotineiras que no meio do livro já se tornam previsíveis. O principal problema deste livro é que não existe obstáculos durante o livro e como tal nenhum antagonismo. O livro basicamente conta a vida de Joana, descrevendo a sua vida, as saudades que tem sobre a amiga falecida e os indivíduos em sua volta, principalmente a sua familia.
Somando tudo, o único que me agradou neste livro foram as personagens secundárias que tem realmente personalidade, que fez que lesse o livro inteiro. 
Foi uma verdadeira batalha ler este livro, apesar das suas 154 páginas, que no principio se lia num dia, levei quase uma semana para o ler.
"Lá por um livro ser popular. Não quer dizer que seja bom." - Realmente é verdade.

Nota: 2/10

O que é agradável: Personagens secundárias com personalidade

O que é desagradável: A estrutura do livro. Protagonista previsível. Enredo e conflitos inexistentes.

Vídeo-análise:
http://www.youtube.com/watch?v=D3Xgp8lysAU

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Análise do livro "Sangue Fresco"

Sangue Fresco é o primeiro volume de uma série de vampiros que começou em 2001, como um titulo experimental da autora Charlaine Harris que recente teve uma adaptação para o pequeno ecrã que tem enorme sucesso e que está a ser transmitida na RTP1 na madrugada (algumas pessoas não sabem fazer os horários de transmissão).

Numa sociedade onde se descobriu que os vampiros realmente existem e estes tentam integrar-se na sociedade onde lutam pelos seus direitos. Sookie Stackhouse é uma empregada de mesa em Bon Temps - uma pequena vila de Louisiana. É bonita e agradável mas tem um "problema": consegue ler os pensamentos das pessoas em seu redor... até que conhece Bill, um vampiro atraente que Sookie não consegue ouvir os pensamentos. 

Sangue Fresco é uma resposta às preces de alguns fãs de vampiros, que recentemente não lhes agradaram que a mitologia dos vampiros seja constantemente mudada (Crepúsculo, Série Casa da Noite, entre outros.), este é um livro de vampiros tradicionais para adultos, tendo algum conteúdo sexual e cenas de pancadaria.
O livro é no fundo um livro de mistério tendo, como pano de fundo, um mundo onde os vampiros coexistem com os humanos. A história baseia-se no encontro da protagonista Sookie com o vampiro Bill que tenta integrar-se na sociedade, mas com a chegada deste, vários assassinatos ocorrem tendo várias coisas em comum: Uma marca de caninos e são estranguladas. Mas o único suspeito não é somente o Bill, mas também o irmão de Sookie - Jason - já que este dormiu com as vitimas a noite em que morreram.*
A mitologia dos vampiros é baseado no folclore que todos conhecemos, mas numa perspectiva mais cientifica, em que o vampirismo é um vírus e o seu sangue tem algumas capacidades quando ingerido. Lembro que isto não é negativo, pois a abordagem cientifica sobre a mitologia já aconteceu nos zombies e lobisomens. 

Está muito bem escrito e detalhando, sendo por vezes viciante já que tem um arranque bastante bom e um final ainda melhor. O enredo da história é muito bom, sendo na sua base uma história de detectives, mas focando também no romance entre as duas personagens. No decorrer na história acontece várias reviravoltas, fazendo o leitor  intrigado e virar as páginas. É uma pena que o livro se centre nos assassinatos e as 2 personagens principais e não em algumas personagens secundárias em que valeria a pena terem um maior desenvolvimento. 
Recomendo este livro a fãs de vampiros e também a amantes de histórias de detectives. Faço lembrar que Sangue Fresco é um livro para adultos, tendo uma atmosfera adulta e não os típicos elementos das histórias juvenis.

Nota: 8.5/10
O que é agradável: Uma protagonista forte. A mitologia clássica dos vampiros. O enredo bastante bom e apelativo, tendo um clímax forte.

O que é desagradável: A personagem Jason está pouco desenvolvida, apesar de ter a sua importância na historia e sendo uma personagem interessante.

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=FMI_orD7W_8 

* - Isto não são Spoilers já que a descrição acima corresponde aos acontecimentos do 1ºCapitulo.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Análise do livro "Marcada"

Marcada é o primeiro da série Casa da Noite,  Uma escola de vampiros onde os marcados têm que amadurecer para a transição de humano para vampiro - A mudança. Se o corpo rejeitar a mudança, a pessoa que estiver marcada morre.

Zoey Redbird é uma típica adolescente de Tulsa, onde num dia normal de aulas é Marcada por um Caça. A partir desse momento tem que frequentar A Casa da Noite para não ter o terrível destino se o seu corpo rejeitar a mudança.
A marca que Zoey tem na testa é única, o que revela o quanto é especial... talvez enquanto frequente A Casa da Noite, mudanças irão ocorrer.



O livro mostra as aventuras de Zoey Redbird quando entra e frequenta na Casa da Noite, onde conhece novos amigos mas ao mesmo tempo ganha novos inimigos.  O livro é muito original por começar na mitologia dos Vampiros, o folclore que conhecemos actualmente não existe nesta série, sendo substituído por uma abordagem mais juvenil e menos violenta. As pessoas tornam-se Vampiros sendo marcadas (dai o nome do livro) com uma lua no meio da testa. E ao contrario de muitas histórias, os vampiros neste mundo são conhecidos pela humanidade como são "tolerados". 
Apesar disso o livro tem uma forte carga religiosa, sendo que os vampiros têm uma religião própria e costumes próprios adorando a Deusa Nyx. E sim, ao contrario no mundo em que vivemos,  a sociedade dos vampiros  é Matriarcal, onde as mulheres têm um papel mais importante que os homens.  

A escrita do livro é muito simples e viciante, fazendo o leitor virar de página e ler o livro inteiro em pouco tempo. A nível de enredo está muito bom, focando na apresentação do mundo dos vampiros. Contém várias reviravoltas mas nada de muito relevante, mas ao contrário de outros livros, existe conflitos desde o inicio da historia, tornando o enredo ainda mais viciante. Contudo durante a leitura  reparei que existem vários ecos da saga Harry Potter, porque o conceito de ambas séries são as mesmas: Um/a jovem descobre que é especial e frequenta uma escola onde aprende com os da sua espécie.   
Recomendo a leitores que gostaram da saga Harry Potter, pois a atmosfera e estrutura é semelhante; também recomendo quem goste de vampiros apesar das referencias de folclore actuais presentes no livros sejam quase nulas.

Nota: 7.5

O que é agradável: O mundo detalhado dos vampiros. A escola. Nova mitologia de vampiros, apesar de ser muito soft. Uma protagonista é que vulgar (não é uma Supergirl) que comete erros e aprende com eles.

O que é desagradável: Um antagonismo final e o objectivo da protagonista um pouco fraco. Referências sexuais um pouco sem contexto comparando no mundo em que se insere.

Vídeo-Análise:
http://www.youtube.com/watch?v=NQulQAv9TZU

domingo, 18 de abril de 2010

Análise do livro "Alugo o meu corpo"

Alugo o meu corpo é uma auto-biografia duma brasileira que na vinda de Portugal, se tornou prostituta. Escrito por Paula Lee (pseudónimo), Alugo o meu corpo trata-se de retratar o mundo da prostituição e do sexo, em que a autora explícita no inicio do livro que actualmente é uma "acompanhante independente", ao contrario do que meses atrás que fora uma simples prostituta.

O livro retrata a vida da autora na sua vida do Brasil, onde tem um emprego mas só ganha o suficiente para pagar as contas e pouco mais. Um dia, enquanto procura emprego na cidade encontra-se com o seu emprego de sexo: Sexphone.
A partir de ai conhece indivíduos que a convencem a ir para Portugal temporariamente, para ganhar muito dinheiro mas têm um contra: Tem que se prostituir!
Paula compra um bilhete de avião e dirigi-se a Portugal onde fica imersa no mundo da prostituição e do sexo.

O livro está escrito de uma forma simples, agradando a muitos públicos mas a sua linguagem e as várias referencias sexuais que o livro mostra, impossibilita o publico mais jovem ler. O livro tem 300 páginas mas dentro de si tem uma história complexa e cheias de reviravoltas, o que é muito bom para uma autora que publica o seu primeiro (e talvez único) livro.
Mas o que não agrada e confunde um pouco é a sua estrutura de enredo. Normalmente um/a autor/a escreve a sua história num espaço de tempo continuo e alguns dão uso de analepse para dar algum acontecimento anterior ou desvelar um passado da personagem. Assim sendo o livro de Paula Lee, metade do livro dá uso a várias analepses - capitulo sim, capitulo não - para desvelar ao leitor como Paula Lee foi ter a Portugal. Esta técnica de a autora usou, é no mínimo, raro e pouco prático, sendo que, não existindo uma referencia onde a "personagem" está, confunde o leitor. Esta técnica arrasta-se durante a primeira metade do livro.
Esquecendo isso, Alugo o meu corpo é um bom livro onde se aprende o que uma prostituta passa por estar neste meio, não é um livro só de sexo banal, mas sim um livro de emoções onde a autora vive as mais variadas emoções: Amor, amizade, desespero, raiva, dor e traição...

Nota: 8/10
O que é agradável: O desenvolvimento da "personagem". Humor sexual (não intencionado pela autora). O rumo da história. A descrição dos locais e das restantes personagens. Não existe aqueles momentos de conversa desnecessária. Simples e directo! :D

O que é desagradável: Primeira metade do livro mal estruturada, enquanto que num capitulo Paula está no Brasil no seguinte capitulo Paula já se encontra em Portugal (bem podia meter o nome do local e a data da acção), esta estrutura mantém-se até metade do livro até saber como Paula foi para Portugal.

Vídeo-Análise:

Análise do livro "Eclipse"

Eclipse é a 3ª entrega da saga Luz e Escuridão criada por Stephenie Meyer onde uma rapariga mortal - Bella - se apaixona por um vampiro que deseja o seu sangue. Desta união proibida provém também algumas consequências...
Bem este é o conceito da saga que anteriormente nomeei. Eclipse começa onde o Lua Nova acabou. Bella está prestes a acabar o liceu e quer ter uma vida com o seu companheiro - Edward Cullen - onde ambiciona ser uma vampira por desejo próprio e também porque os Volturi assim o dizem.

Desde já devo dizer que Eclipse emenda alguns erros que Stephenie Meyer cometeu durante a escrita de Lua Nova, que redigi durante a análise deste livro (veja a anterior análise). A 3º entrega já contém mais ritmo na história, vários plot-points (mais do que o anterior livro, mas ainda assim inferior ao desejado) e mais desenvolvimento entre personagens. Ainda assim, Eclipse contém ainda várias falhas na estrutura na história do livro, que irei nomear.
Na primeira metade do livro, o ritmo é pouco ou quase nulo (somente um ou dois plot-points relevantes) sendo que a prioridade dessa parte do livro é o desenvolvimento entre personagens e a revelação dos passados das personagens (Rosalie, Jasper...), sendo esta a única razão que me fez virar as páginas, pois o desenvolvimento da história é quase nula.
Na segunda metade do livro a situação já muda de figura. A sua prioridade já não são as personagens mas sim o desenvolvimento do enredo, onde contêm mais acção de qualquer dos livros anteriores. O livro contém um final aberto e o epílogo é escrito na perspectiva de Jacob Black, fazendo o leitor ler a sequela e "ultimo" capitulo da saga.

Nota: 7
O que é agradável: O regresso de Victoria. Mais ritmo na história. Passado das personagens. Vários conflitos no livro. Os acontecimentos no final do livro.

O que é desagradável: Livro mal estruturado em que a primeira metade do livro dedica-se mais a contar o passado das personagens e a segunda metade do livro dedica-se aos conflitos da história. A personalidade infantil de Jacob.

VÍDEO-ANÁLISE:
http://www.youtube.com/watch?v=iDwymzLoKoQ

Análise do livro "Lua Nova"

A primeira análise que vou apresentar é do livro "Lua Nova" de Stephenie Meyer que ganhou fama através da série Lua e Escuridão, onde Lua Nova é o segundo livro da série.
Lua nova começa com um sonho de Bella sobre a envelhecimento, desde então é "obcecada" com o envelhecimento e indisposta porque tecnicamente é mais velha que o seu parceiro Edward que tem 17 anos de vida (antes de ser convertido em vampiro).
Após isso vem consequências que põem em acção o motor de um novo relacionamento e descreve a face mais negra da vida de Bella.
O segundo livro de Stephenie Meyer em relação ao Crepúsculo é muito parado, o seu ritmo de acontecimentos é lento e os seus plot-points são poucos. Como o tema do livro é o amor quebrado (tal como Romeu e Julieta e sim têm algumas semelhanças), quem lê este livro fica ainda deprimido porque a protagonista passa por momentos escuros que não é recomendado a leitores que também tenham o seu estado de espírito quebrado (se lerem, procurem de imediato um livro de auto-ajuda).
O livro é muito grande para o conteúdo que têm e muita coisa podia ser cortada que os leitores nem se apercebiam que faltava algo - tal como conversas desnecessárias de ocupam capítulos inteiros (algo recorrente na série).

Recomenda-se a pessoas que gostaram do Crepúsculo e pouco mais, porque este livro em si não é muito atractivo.

Nota: 6/10
O que é agradável - O desenvolvimento da relação entre Jacob e Bella. Lobisomens. O aparecimento dos Volturi.

O que é desagradável - Victoria quase não aparece no livro (não existe confronto físico). Muito parado, sem ritmo, o argumento por vezes começa a arrastar-se um pouco pelo livro.
Aviso: O video-análise contêm alguns spoilers.